O Programa Escola sem Partido, ou apenas Escola sem Partido, é um movimento político criado em 2004 no Brasil e divulgado em todo o país pelo advogado Miguel Nagib. Ele e os defensores do movimento afirmam representar pais e estudantes contrários ao que chamam de "doutrinação ideológica" nas escolas
  • Escolas sem partidos
  • Mora em São Paulo
  • De São Paulo
  • Estudou - Não fale nada. Não se misture. Tome cuidado. Era época do AI5. O medo rondava. Pensar era perigoso. Falar o que pensava, então, saia caro. Custava a vida. Pessoas sumiam. Umas por dias. Outras para sempre. Não volta em
  • Seguido por 105 pessoas
Atualizações recentes
  • #escolasempartido
    #escolasempartido
    10
    0 Comentários 1 Compartilhamentos
  • 9
    1 Comentários 0 Compartilhamentos
  • https://g1.globo.com/educacao/noticia/entenda-a-polemica-em-torno-do-escola-sem-partido.ghtml
    https://g1.globo.com/educacao/noticia/entenda-a-polemica-em-torno-do-escola-sem-partido.ghtml
    G1.GLOBO.COM
    'Escola sem Partido': entenda a polêmica em torno do movimento e seus projetos de lei
    Movimento inspirou uma série de projetos de lei municipais, estaduais e federal, mas foi contestado pela AGU, MPF e associações de professores.
    7
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
  • Data de nascimento renovada com Sucesso!!!
    Data de nascimento renovada com Sucesso!!!
    5
    0 3 Comentários 0 Compartilhamentos
  • O Programa Escola sem Partido, ou apenas Escola sem Partido, é um movimento político criado em 2004 no Brasil e divulgado em todo o país pelo advogado Miguel Nagib.[1][2][3][4] Ele e os defensores do movimento afirmam representar pais e estudantes contrários ao que chamam de "doutrinação ideológica" nas escolas. Ganhou notoriedade em 2015 desde que projetos de lei inspirados no movimento começaram a ser apresentados e debatidos em inúmeras câmaras municipais e assembleias legislativas pelo país, bem como no Congresso Nacional.[5][6][7][8][9][10]

    Segundo Nagib, o Escola sem Partido consiste em afixar nas escolas um cartaz com uma lista por ele chamada de "deveres do professor". O advogado afirma ainda que "esses deveres já existem" e que o objetivo é "apenas levá-los ao conhecimento dos alunos, para que eles mesmos possam se defender contra eventuais abusos praticados por seus professores, já que, dentro da sala de aula, ninguém mais poderá fazer isso por eles."[11][5]

    Quase 60 projetos de lei foram apresentados em todo o país sob a influência do movimento.[12] Analisando essas propostas e os documentos disponibilizados pela campanha, o Conselho Nacional de Direitos Humanos emitiu uma resolução[13] em que repudiou todas as iniciativas do Escola sem Partido.[14][15] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos tratou os projetos de lei promovidos pelo movimento como ameaças aos direitos humanos básicos.[16][17] Vários desses projetos foram questionados devido à sua inconstitucionalidade pelo Ministério Público Federal, pela Advocacia-Geral da União.[18][19]

    Em outubro de 2018, pouco após a eleição de Jair Bolsonaro para presidente, o relator do Escola sem Partido na Câmara dos Deputados, deputado Flavinho (PSC), adicionou alterações na redação do projeto na véspera da votação, deixando-o mais restritivo. No novo texto, noções como "gênero", "orientação sexual", "ideologia de gênero" e "preferências políticas e partidárias" não podem fazer parte de "materiais didáticos e paradidáticos", "conteúdos curriculares", "políticas e planos educacionais" e "projetos pedagógicos das escolas" (antes, era apenas "materiais didáditicos e paradidáticos"), entre outras restrições.[20] A votação do projeto, prevista para ocorrer no dia 31 de outubro, foi adiada para a semana seguinte.[21]
    O Programa Escola sem Partido, ou apenas Escola sem Partido, é um movimento político criado em 2004 no Brasil e divulgado em todo o país pelo advogado Miguel Nagib.[1][2][3][4] Ele e os defensores do movimento afirmam representar pais e estudantes contrários ao que chamam de "doutrinação ideológica" nas escolas. Ganhou notoriedade em 2015 desde que projetos de lei inspirados no movimento começaram a ser apresentados e debatidos em inúmeras câmaras municipais e assembleias legislativas pelo país, bem como no Congresso Nacional.[5][6][7][8][9][10] Segundo Nagib, o Escola sem Partido consiste em afixar nas escolas um cartaz com uma lista por ele chamada de "deveres do professor". O advogado afirma ainda que "esses deveres já existem" e que o objetivo é "apenas levá-los ao conhecimento dos alunos, para que eles mesmos possam se defender contra eventuais abusos praticados por seus professores, já que, dentro da sala de aula, ninguém mais poderá fazer isso por eles."[11][5] Quase 60 projetos de lei foram apresentados em todo o país sob a influência do movimento.[12] Analisando essas propostas e os documentos disponibilizados pela campanha, o Conselho Nacional de Direitos Humanos emitiu uma resolução[13] em que repudiou todas as iniciativas do Escola sem Partido.[14][15] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos tratou os projetos de lei promovidos pelo movimento como ameaças aos direitos humanos básicos.[16][17] Vários desses projetos foram questionados devido à sua inconstitucionalidade pelo Ministério Público Federal, pela Advocacia-Geral da União.[18][19] Em outubro de 2018, pouco após a eleição de Jair Bolsonaro para presidente, o relator do Escola sem Partido na Câmara dos Deputados, deputado Flavinho (PSC), adicionou alterações na redação do projeto na véspera da votação, deixando-o mais restritivo. No novo texto, noções como "gênero", "orientação sexual", "ideologia de gênero" e "preferências políticas e partidárias" não podem fazer parte de "materiais didáticos e paradidáticos", "conteúdos curriculares", "políticas e planos educacionais" e "projetos pedagógicos das escolas" (antes, era apenas "materiais didáditicos e paradidáticos"), entre outras restrições.[20] A votação do projeto, prevista para ocorrer no dia 31 de outubro, foi adiada para a semana seguinte.[21]
    6
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
  • #sempartidos
    #sempartidos
    8
    0 Comentários 1 Compartilhamentos
  • 3
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
  • Aí, bem-vindo!!!!!
    Aí, bem-vindo!!!!!
    3
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
  • 3
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
  • 2
    0 Comentários 0 Compartilhamentos
Mais stories